A revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences dá-nos a conhecer os resultados de um estudo longitudinal efectuado ao longo de 25 anos a 1000 neozelandeses.

O estudo comparou o quociente de inteligência (QI) dos participantes consumidores vs não consumidores de cannabis dos 13 e aos 38 anos de idade. Os resultados apontam para um decréscimo de oito pontos no QI aquando a vida adulta dos  participantes que consumiram marijuana regularmente durante a adolescência.

Para além disto, os resultados relevam, também, falhas ao nível da memória, da concentração, do raciocínio e do processamento visual, entre outras. Foi possível verificar uma ligeira subida de pontos ao nível do QI nos não consumidores de marijuana.

Os investigadores acreditam que os consumidores encontram-se em desvantagem perante os não consumidores no que toca à realização profissional, começando pelo acesso à universidade, passando pela procura de emprego e pelo seu desempenho no mesmo.

Por considerarem a adolescência um período por excelência do desenvolvimento cerebral, alertam para as possíveis consequências irreversíveis dos consumos.

Fonte: Público

Carolina Justino

Carolina Justino

Psicóloga Clínica e Psicoterapeuta
ver perfil
"Para além disto, os resultados relevam, também, falhas ao nível da memória, da concentração, do raciocínio e do processamento visual, entre outras."